Escovas progressivas, inteligentes e tals…

Começando a escrever este post fico pensando, será que alguem aida tem dúvidas nisto ou sou só eu. Isto mesmo, mesmo com meu conhecimento e pesquisando um pouco na internê, ainda tô com dúvidas.

Primeiro, veio o alisamento japonês. Definitivo – só sai conforme o cabelo cresce –, deixava-o esticadinho, mas parecia um capacete (lembra do polêmico look de Fátima Bernardes, apresentadora do Jornal Nacional?) e, com muita química na fórmula, enfraquecia demais os fios. Logo depois, as escovas progressivas (com durabilidade de três a seis meses) pipocaram em todos os salões e fizeram o maior sucesso. Daí, surgiu o alerta sobre o risco do formol para a nossa saúde. E novas substâncias – guanidina, tioglicolato e hidróxido de sódio – entraram na jogada com a tarefa de alisar sem causar irritação, vermelhidão, alergia na pele e no couro cabeludo. Agora a bola da vez é a escova inteligente, sucesso entre as famosas. O método, segundo os cabeleireiros, traz algumas promessas interessantes para as mulheres que não vivem mais sem a progressiva. O principal apelo é agredir menos os fios. Mesmo assim, não dá para dizer que o cabelo, a longo prazo, não sofre danos. (Fonte: Revista Boa Forma)

Recentemente eu mesma fiz uma “escova inteligente”. Fiz só na franja, tenho os cabelos ondulados e queria uma franja ajeitada. Não conhecia o método e me foi oferecido pela cabelereira. Segundo ela sem formol, sem danos aos fios, sem riscos. Maravilha!

Para meu espanto, durante o processo senti o cheiro forte do formol (que conhecemos bem das aulas de anatomia – quem não sabe, o formol é usado para conservar os cadáveres para os estudos). Como todo mineiro, sou desconfiada, anotei o nome do produto, Agi-Max. Isso foi has uns 6 meses. Adorei o efeito, não estragou os fios de jeito nenhum, lavei no mesmo dia, no proprio estabelecimento e durou satisfatoriamente até ha pouco tempo.

Estava eu pensando em fazer novamente e resolvi dar um google no produto. Descobri reportagens sobre o produtos em revista com Claudia e Boa Forma e Capricho. Mas…descobri no site da Anvisa que a empresa tem todos os seus produtos notificados (mas não consegui descobrir porque) e um produto foi tirado de circulação por rótulo errado, algo relacionado com concentração de formol (deve ser o produto que eu usei, meu faro não me engana, heheh). Ainda sobre as “escovas inteligentes” descobri que muitas tem “fórmulas secretas” ou impossíveis de reproduzir o mesmo efeito com os componentes dos rótulos (testadas por químicos!)

Moral da história: eu penso que a novela de “escova de formol” está longe do fim. Tenha um hair stilist de confiança, para quem voce possa pelo menos pedir informações do produto, nem que seja para checar depois no google, para não correr o risco de comprar gato por lebre e colocar a saúde em risco.

E, o pior… no fim das contas não sei mais o que faço com meu cabelo (dermatologistas também têm dilemas….). Agora tenho medo de usar novamente e ter formol, ou não ter formol…e não fazer efeito, ou pior, acabar com minhas madeixas. 🙁

E voces, o que fariam?

bjos

Booking.com